Atendimento de Segunda
a Sexta das 9h as 19h
(46) 3536-7272
Rua Inês Pinzon, 553
Dois Vizinhos - PR
BLOG

Massagem para tratar a dor

Autor: Dra. Maiara S. Pimentel,   Data Criação: quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020    

Boa parte da população mundial sofre com dores. Sentir dor é um alerta natural, um aviso de que algo não vai bem no nosso corpo. Em algumas situações, porém, essa manifestação se torna persistente, comprometendo a qualidade de vida. De forma resumida, podemos dizer que a dor aguda, consequência de um trauma ou doença, é aquela que dura menos de três meses. Quando o sintoma supera esse tempo transforma-se em dor crônica. Aí, a dor deixa de ser sinal e vira, ela mesma, problema, prejudicando o trabalho, as atividades diárias, a independência e a vida familiar e afetiva.

Uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, traz dados alarmantes sobre a situação em nosso país. Ela indica que 37% da população sofre de dor crônica. As dores mais recorrentes aqui são nas costas (as lombalgias), de cabeça e aquela relacionada ao câncer.

Em meio a esse cenário, em que muitas pessoas ficam desassistidas, existe a possibilidade de explorarmos ainda mais o potencial das chamadas práticas integrativas e complementares a fim de controlar ou minimizar as dores. Falamos de técnicas que visam reequilibrar corpo e mente do indivíduo, suavizar sintomas e devolver qualidade de vida.

No contexto da dor, vamos citar aqui os efeitos e as aplicações da massagem terapêutica, que pode ser definida como a manipulação manual dos tecidos moles do corpo para aprimorar a saúde e o bem-estar em geral. A massagem terapêutica não deve ser confundida com uma massagem relaxante comum.

Existem pesquisas com essa terapia em pelo menos seis tipos de dor:

  • Dor lombar: o desconforto nas costas é a queixa mais comum da população. Já existem evidências de que a massagem terapêutica não só diminui a dor no local, mas também reduz a incapacidade decorrente dela e alivia a ansiedade e a depressão entre quem tem o problema.
  • Fibromialgia: trabalhos científicos indicam que a terapia com massagem pode integrar o tratamento dessa síndrome, marcada por dores espalhadas pelo corpo. Além de reduzir a dor em si, observa-se a diminuição de fadiga e rigidez, bem como ganhos ao bem-estar mental.
  • Dor pós-operatória: esse tipo de incômodo após uma cirurgia pode complicar a recuperação, prolongar a permanência no hospital e ainda interferir no retorno do paciente às atividades do cotidiano. Já temos bons indícios de que a massagem terapêutica diminui a intensidade e a frequência da dor nessas circunstâncias.
  • Dor de cabeça: a massagem se destina particularmente às dores do tipo tensional. Estudos revelam que essa abordagem minimiza a percepção, a frequência, a duração e a intensidade da dor.
  • Artrite e artrose: pesquisas apontam que sessões de uma hora de massagem sueca (uma das variações da massagem terapêutica) uma vez por semana trazem melhoras significativas a pessoas com o desgaste no joelho. A massagem melhora a mobilidade e a dor nos membros.
  • Dor no câncer: a massagem terapêutica é vista de forma promissora no controle da dor, da fadiga e da ansiedade em pessoas com câncer.

Dentro do conceito atual de tratar de forma cada vez mais integrada o paciente, devemos prestar atenção nas descobertas da ciência e pensar em alocar melhor recursos tendo em vista o bem-estar do indivíduo. Nesse sentido, a manipulação do corpo, em paralelo a um trabalho com as condições emocionais, soma pontos valiosos à recuperação e à manutenção da qualidade de vida.

Fonte: https://saude.abril.com.br/

Foto: info

  Tags: #Fisioterapia #Massagem #Dor  


Como treinar o cérebro para ser mais otimista (e saudável)

Autor: Dra. Luciana Aparecida da Paixão Gorenstein,   Data Criação: quarta-feira, 05 de fevereiro de 2020    

Pessoas pessimistas, ansiosas e neuróticas tendem a ter circuitos neurais repetitivos no cérebro. É como se a cabeça não conseguisse descartar informações desnecessárias e ficasse remoendo uma ou outra situação. Mas tenho uma boa notícia: dá para treinar o cérebro para nos tornarmos mais otimistas e calmos.

Antes de dar algumas dicas nesse sentido, é importante reforçar que buscar uma vida mais leve melhora o seu bem-estar e o de quem convive com você. Estudos científicos sugerem que os pessimistas vivem, em média, sete anos e meio a menos do que os otimistas. É um bom motivo para mudar de atitude, não?

O que acontece no cérebro influencia diretamente no corpo. Diante de um problema de saúde, por exemplo, cultivar as emoções positivas pode reforçar o sistema imunológico e combater a depressão.

Várias pesquisas mostraram uma ligação indiscutível entre uma visão de mundo otimista e benefícios para a saúde, como pressão sanguínea mais baixa, melhor controle do peso e níveis adequados de açúcar no sangue. Mesmo diante de uma doença fisicamente incurável, sentimentos e pensamentos positivos aprimoram a qualidade de vida.

Isso não significa que todo mundo precisa estar sempre otimista para ser saudável e feliz. Naturalmente, existem momentos e situações que desencadeiam sentimentos negativos mesmo na pessoa mais esperançosa do mundo. Medo, preocupação, tristeza e raiva fatalmente irão aparecer na vida de qualquer um. Quem rejeita completamente esses pensamentos também acaba fazendo um mal para si mesmo.

A questão, portanto, é não olhar só para o lado ruim das coisas. Embora algumas pessoas tenham uma tendência para o pessimismo, o cérebro consegue criar novas células e sinapses, trilhando novos caminhos. É possível treinar esses circuitos para ser mais otimista.

Ou seja, você pode aprender a ver as coisas de maneira mais positiva com algumas práticas que promovem o otimismo. Confira a lista de dicas que vão nesse sentido:

  • Coloque um sorriso no rosto e reconheça um lado ou um evento positivo na sua vida todos os dias;
  • Pense sobre o momento positivo desse dia e o registre na sua mente;
  • Agradeça sempre. Isso não tem a ver com religião, mas com a força de um bom pensamento;
  • Identifique uma qualidade pessoal sua e perceba como faz uso dela;
  • Estabeleça objetivos alcançáveis e avalie sempre o seu progresso;
  • Pratique atos de gentileza diariamente, por menores que sejam. O bem atrai o bem;
  • Preste atenção em você mesmo e se concentre no aqui e no agora, ao invés de se ligar ao passado ou ao futuro;
  • Medite. Ao se concentrar por 10 a 20 minutos, o corpo se acalma e nós prestamos mais atenção no que acontece conosco e com o nosso entorno. Deixe os pensamentos irem e virem na mente e sem ficar remoendo cada um.

Fonte: https://saude.abril.com.br/

Foto: info

 

  Tags: #psicologia #saudemental #otimismo #saudavel  


Camuflagem de estrias: dê adeus às marquinhas indesejadas

  Data Criação: sexta-feira, 31 de janeiro de 2020    

As estrias são um tipo de cicatriz, que ocorrem devido ao rompimento das fibras que sustentam a pele, e uma vez que essas fibras se rompem, não se regeneram mais. A causa pode se dar por vários fatores, como ganho de peso, gestação, genética e musculação. Elas são indolores e se concentram principalmente em regiões com maior concentração de gordura, como barriga, bumbum, seios, coxas e quadris.

Essas pequenas marquinhas podem muitas vezes ser motivo de incomodo para muitas pessoas, e se engana quem pensa que não existe solução para elas. Saiba que com o avanço da tecnologia estética, é possível ter uma pele do jeito que você sempre quis.

E como isso é possível? Uma das grandes soluções para isso são as inovadoras tatuagens estéticas, um processo de dermopigmentação, que funciona de forma semelhante à tatuagem convencional, porém, na camuflagem de estrias apenas uma camada superficial da pele é atingida, pintando as marcas o mais próximo possível da coloração da pele.

É um processo simples, rápido e que não causa grandes incômodos. O desconforto que há durante a aplicação pode ser amenizado com a aplicação de um anestésico e o resultado impressiona logo na primeira sessão. A camuflagem pode ser realizada em estrias, e também, outros tipos de manchas. E até mesmo quem não tem estrias ou não se importa com as marquinhas, fica impressionado com o resultado da técnica.

Por fim, assim como a tatuagem comum, o resultado duradouro é totalmente garantido, sem risco que a camuflagem mude de cor e sem problemas em se expor ao sol. Entretanto, é de extrema importância conferir a qualificação do profissional que irá realizar a técnica, para a segurança de um ótimo resultado.

Fonte: https://veja.abril.com.br | https://emais.estadao.com.br

Foto: info

  Tags: #Estrias #CamuflagemdeEstrias  


Pensando em realizar tratamento com implantes dentários?

Autor: Dr. Robson Michael Tecchio,   Data Criação: quinta-feira, 23 de janeiro de 2020    

O implante dentário é uma realidade da odontologia moderna e tem se tornado cada vez mais acessível à população. O tratamento pode ser realizado em qualquer pessoa, desde que tenha finalizado o período de crescimento ósseo, que acontece na maioria dos casos em mulheres entre 17 e 18 anos e homens entre 18 e 19 anos.

O implante dentário é o melhor procedimento para reestabelecer a função mastigatória e voltar a sorrir com tranquilidade. Confira cinco motivos para a realização deste tratamento:

  • Perda dos dentes: estima-se que 60% da população brasileira convive com a falta de um ou mais dentes. A faixa etária com maior incidência está entre 40 e 50 anos, entretanto, qualquer pessoa pode perder seus dentes antes desta idade, seja por problemas na estrutura dentária ou outras ocorrências;
  • Inexistência de dores: a região óssea possui pouca inervação para dor, que é facilmente controlada com anestesia local. Além disso, o tratamento com implantes dentários pode ser realizado através da sedação consciente, diminuindo o nível de consciência do paciente sem afetar a respiração, estímulos ou comandos verbais;
  • Eficiência do procedimento: não existe rejeição. As complicações causadas, que raras vezes acontecem, são apenas no ato cirúrgico ou no pós-operatório, devido a qualidade do osso ou problemas mecânicos relacionados à prótese;
  • Simplicidade e segurança: Com o desenvolvimento acelerado da tecnologia, já é possível reduzir o tempo de tratamento. O tempo de cicatrização óssea também é menor, com um índice de sucesso de 99% dos casos;
  • Satisfação: Pessoas com falta de dentes tem mais dificuldade para se relacionar, arrumar um emprego e outras eventualidades. O desconforto psicológico pela falta dos dentes é o maior impacto negativo na qualidade de vida das pessoas.

Além disso, o implante dentário pode trazer de volta a segurança para mastigar, a autoestima e a estética do sorriso, porque se assemelha aos dentes naturais, tanto em função como na forma e visual.

Fonte: www.g1.globo.com/ | www.rsaude.com.br

Foto: info

  Tags: #Odontologia #ImplantesDentarios  


Cuidados especiais com a saúde no verão

Autor: Dr. Dib Mohamad Nabhan Jr,   Data Criação: segunda-feira, 20 de janeiro de 2020    

O verão é uma das estações mais esperadas pelo brasileiro, afinal de contas, quem é que não gosta desse período de férias, viagem, litoral e outras atividades ao ar livre, não é mesmo? No entanto, o aumento das temperaturas em alguns lugares pode acarretar problemas de saúde típicos da estação, como conjuntivite, dengue, dermatoses diversas, insolação, desidratação e intoxicação alimentar. Além disso, o calor intenso também pode aumentar o risco de inchaço, queda de pressão arterial e infecções de pele como micoses.

Conheça algumas práticas e cuidados que são fundamentais para prevenir e curtir a estação da melhor forma:

  • Lave as mãos com frequência e faça uso do álcool em gel, sobretudo quando for lidar com crianças ou se alimentar;
  • Armazene os alimentos na geladeira, principalmente os que sejam à base de leite e derivados.;
  • Mantenha-se hidratado, ou seja, beba bastante água! Evite refrigerantes, sucos e outras bebidas que contém um alto grau de açúcar;
  • Lave-se bem após sair da piscina ou da praia e enxugue cada parte do corpo. Atenção especial deve ser dada às crianças;
  • Use protetor solar sempre, não somente quando for à praia ou piscina, pois é o produto deve ser usado em qualquer ocasião de exposição ao sol;
  • Evite exposição ao sol entre 10h e às 15h, pois a radiação solar é mais perigosa nesses horários;
  • Elimine qualquer recipiente que possa conter água parada, pois o mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue, da Chikungunya e da Zika procura-os para colocar seus ovos.

Com esses cuidados, você e sua família diminuem os riscos de ter a saúde prejudicada e poderão aproveitar ao máximo tudo o que a estação mais alegre do ano tem para oferecer.

Fonte: https://drauziovarella.uol.com.br | https://www.drogarialiviero.com.br

Foto: info

  Tags: #ClinicoGeral #Cuidados #Saude #Verao  


Insônia: como identificar e combater?

Autor: Dra. Luciana Aparecida da Paixão Gorenstein,   Data Criação: sexta-feira, 10 de janeiro de 2020    

A insônia pode ser caracterizada pela incapacidade de iniciar ou manter o sono, consequentemente, comprometendo a qualidade de vida de quem possui esse distúrbio. Ela pode estar relacionada a ansiedade, depressão ou fatores psicofisiológicos, como expectativas, preocupações e estresse.

O tempo necessário de sono varia de uma pessoa para outra. A maioria, precisa dormir de sete a oito horas para acordar disposta. Quando se tem o distúrbio, a pessoa geralmente já acorda com uma sensação de cansaço, humor comprometido e falta de energia, prejudicando os afazeres do dia-a-dia.

Estudos indicam que grande parte dos adultos irão apresentar o distúrbio em algum momento da vida, mas algumas pessoas o possuem de forma crônica, que pode perdurar por um longo período de tempo. Entre alguns sintomas estão:

  • Dificuldade para adormecer à noite;
  • Despertar durante o sono;
  • Após uma noite de sono, ainda sentir-se cansado;
  • Cansaço ou sonolência diurna;
  • Irritabilidade, depressão ou ansiedade.

Após o diagnóstico ser estabelecido, o tratamento pode dividir-se em várias opções, como medicamentos, terapias e adequações na rotina, tanto durante o dia, quanto a noite. Alguns hábitos saudáveis também podem ser adotados, como por exemplo:

  • Praticar exercícios físicos;
  • Moderar a ingestão de produtos que possuem cafeína;
  • Evitar cochilos durante o dia;
  • Evitar o consumo de álcool e nicotina;
  • Estabelecer um horário fixo para dormir e para acordar.

E lembre-se, as necessidades de quantidade de horas dormidas também variam de acordo com a idade. Portanto, é essencial ouvir os sinais do seu corpo e não tentar dormir mais ou menos daquilo que é necessário para você. Em todo caso, consulte um especialista para aprender lidar de forma eficaz com a manutenção do sono.

Fonte: https://drauziovarella.uol.com.br | https://www.hospitalsiriolibanes.org.br

Foto: info

  Tags: #Psicologia #Insônia  


Bruxismo

Autor: Dr. Robson Michael Tecchio,   Data Criação: sexta-feira, 01 de novembro de 2019    

Bruxismo é uma desordem funcional que se caracteriza pelo ranger dos dentes quando se está dormindo. Não se sabe exatamente o porquê o bruxismo acontece, dentro as possíveis causas estão:

  • Situações de ansiedade, estresse, raiva ou tensão;
  • Má oclusão ou fechamento incorreto da boca;
  • Efeito colateral incomum de alguns remédios psiquiátricos;
  • Problemas relacionados ao sono, como a apneia do sono.

Consequentemente, o bruxismo pode provocar desgaste nos dentes, dor na musculatura ao abrir e fechar a boca, hipertrofia (aumento do músculo devido ao crescimento das células musculares), dores de cabeça e até mesmo doenças periodontais (afetam desde a gengiva até o osso que envolve e suporta o seu dente).

Entre alguns sintomas do bruxismo estão:

  • Ranger ou apertar os dentes;
  • Dentes achatados, fraturados, lascados ou soltos;
  • Esmalte dental desgastado, expondo camadas mais profundas do dente;
  • Aumento da sensibilidade dentária;
  • Dor na face;
  • Dor na mandíbula;
  • Dor que se sente como se fosse uma dor de ouvido (mas que na verdade é resultado de bruxismo);
  • Dor de cabeça;
  • Recuos de língua.

O tratamento do bruxismo tem como objetivo reduzir o ranger dos dentes, diminuindo a dor e evitando danos permanentes aos dentes. A placa para bruxismo pode ajudar no tratamento, pois sua função é reduzir o travamento, podendo ser projetadas para manter sua mandíbula em uma posição mais relaxada ou proporcionar alguma outra função. E para aliviar a dor do bruxismo, existem alguns cuidados que podem ser realizados em casa. Por exemplo:

  • Aplicar gelo ou calor nos músculos da mandíbula;
  • Evitar comer alimentos mais duros, como nozes, balas e carne;
  • Beber muita água todos os dias;
  • Realizar exercícios de alongamento físico para ajudar a restabelecer um equilíbrio normal da ação dos músculos e articulações de cada lado da cabeça;
  • Tentar reduzir o nível de estresse diário.

O bruxismo pode causar danos permanentes aos dentes e dores na mandíbula, na cabeça e no ouvido. Por essa razão, é importante procurar um dentista e buscar, em conjunto a ele, a melhor forma de tratamento.

Fonte: https://www.minhavida.com.br | https://drauziovarella.uol.com.br

Foto: info

  Tags: #Robson #Dentista #Bruxismo  


Vícios de postura: como corrigir?

Autor: Dra. Maiara S. Pimentel,   Data Criação: segunda-feira, 23 de setembro de 2019    

Você já parou para pensar na sua postura ao sentar-se e ao andar?

Os atos comuns de não se sentar em uma posição correta, seja em casa, na escola, faculdade ou no trabalho em frente ao computador, caminhar olhando para baixo e carregar bolsas e/ou pesos em apenas um dos braços pode desenvolver os chamados vícios posturais. Tais vícios prejudicam não somente a questão estética, mas também trazem transtornos físicos como dores, encurtamentos musculares além de cansaço, problemas na circulação e tendinites, que podem afetar a qualidade de vida.

Mas por que isso ocorre?

O que acontece é que para mantermos nossa postura retificada é necessário que nosso organismo execute um gasto energético, por isso não conseguimos permanecer na mesma posição por um longo período de tempo.

Alguns sintomas podem ser um sinal de alerta:

  • Ombros curvados;
  • Barriga saliente;
  • Joelhos flexionados quando se está de pé ou andando;
  • Cabeça que pende para frente dos ombros;
  • Dores no corpo (principalmente nas costas);
  • Fadiga muscular;
  • Dores de cabeça;

Todavia, existem algumas dicas que poderão auxiliar na prevenção desse problema:

  • Evite debruçar-se sobre a sua mesa de trabalho;
  • Tente manter uma rotina de exercícios físicos (eles fortalecerão seus músculos);
  • Evite cadeiras muito macias;
  • O travesseiro deve manter sua cabeça alinhada ao pescoço e à coluna;
  • Faça alongamentos;
  • Não dirija com o braço esticado;
  • Não leia deitado na cama;
  • Não use calçados com salto alto frequentemente.

Logo, com apenas alguns cuidados diários, você irá melhorar sua qualidade de vida, evitando dores e possíveis patologias decorrentes dos vícios posturais.

Fonte: https://www.bensaude.com.br | https://www.centraldafisioterapia.com.br

  Tags: #Fisioterapeuta #VíciosPosturais  


Colesterol alto: causas e tratamento

Autor: Dr. Dib Mohamad Nabhan Jr,   Data Criação: quinta-feira, 12 de setembro de 2019    

O colesterol é um tipo de lipídio (gordura) que é essencial para o nosso organismo, pois possui o papel vital de manter a células funcionando, de produzir hormônios e vitamina D. Entretanto seu excesso, o chamado “colesterol alto”, pode acarretar diversos problemas de saúde.

Em nosso organismo existem dois tipos de colesterol, eles são iguais em sua forma molecular, porém se diferem quanto às proteínas sanguíneas que realizam seu transporte. Quando associados às proteínas, o colesterol pode formar o LDL (Low Density Lipoprotein – Lipoproteína de baixa densidade), também conhecido como “colesterol ruim”, pois carrega o colesterol do fígado para os tecidos e podem se acumular nas artérias, e o HDL (High Density Lipoprotein – Lipoproteína de alta densidade), conhecido como “colesterol bom”, pois carrega o colesterol das artérias para o fígado.

A formação do colesterol dependerá da genética, do estilo de vida, prática de atividade física e dieta. Conheça algumas de suas causas e fatores de risco:

  • Sexo e idade;
  • Histórico familiar;
  • Obesidade;
  • Inatividade física;
  • Fumar;
  • Diabetes;
  • Má alimentação.

Por incrível que pareça, o colesterol alto não apresenta sintomas, pois é uma doença silenciosa. Os “sintomas” que muitas vezes são observados, como dor no peito, falta de ar e palpitação podem estar associados a uma doença causada devido ao aumento dos níveis de colesterol, como a angina pectoris ou até mesmo o infarto agudo do miocárdio. Portanto, única maneira de saber os níveis de colesterol é através do exame de sangue. Vale ressaltar que é indicado que o paciente procure ajuda médica, caso exista um histórico de colesterol alto na família ou doenças relacionadas ao excesso de peso.

O tratamento e prevenção do colesterol alto deve conter mudanças no estilo de vida, como exercícios físicos acompanhados de uma dieta saudável. Lembre-se de que todos os alimentos de origem animal possuem colesterol. Portanto é recomendável comer alimentos de origem vegetal: frutas, verduras, legumes e grãos.

Sugestão de hábitos:

  • Escolha comidas saudáveis;
  • Evite gorduras trans;
  • Coma mais frutas e legumes;
  • Beba álcool com moderação;
  • Exercite-se regularmente;
  • Não fume.

Fonte: https://controlaradiabetes.pt | https://saude.abril.com.br

  Tags: #ClinicoGeral #Colesterol #Saude  


Quebrando o tabu: terapia funciona!

Autor: Dra. Luciana Aparecida da Paixão Gorenstein,   Data Criação: quarta-feira, 14 de agosto de 2019    

Infelizmente, ainda há uma visão estereotipada e preconceituosa sobre a terapia, algumas pessoas pensam que apenas “loucos” precisam dessa forma de tratamento ou que procurar ajuda é uma fraqueza.

Mas isso não é verdade, a terapia pode aumentar substancialmente a qualidade de vida de um indivíduo e das pessoas que convivem com o mesmo. Os problemas emocionais e as doenças mentais trazem muito sofrimento e limitações para quem sente, porém não deixam sinais físicos, assim se tornam imperceptíveis e fazem com que as pessoas ao seu redor não a compreendam ou até julguem por suas ações.

A terapia é uma importante ferramenta para que possamos entender nosso dia a dia da melhor forma, e assim, tentar vencer aquela fase em que os problemas parecem não terem mais solução. Afinal todos nós, em algum momento, passaremos por crises, pois fazem parte da vida e do processo de crescimento pessoal.

É importante ter consciência de que a assistência médica é imprescindível em diversos casos e de grande ajuda em outros. Assim que a pessoa tiver consciência que possui um conflito psicológico ou um problema emocional que não consegue resolver sozinho, e também percebe que este sofrimento está afetando seus relacionamentos, sua profissão, sua rotina em geral, é necessário buscar ajuda de um profissional qualificado.

A partir do momento em que alguém está disposto a fazer terapia, deve-se considerar que os motivos são pessoais, e não apenas por influência de outras pessoas, pois a vontade e a disposição são elementos essenciais que precisam partir do próprio indivíduo para que procedimento seja eficiente.

Fonte: https://www.propsicologia.com.br

  Tags: #Tabu #Terapia #Psicologia #Psicologa  


Escoliose

Autor: Dra. Maiara S. Pimentel,   Data Criação: quarta-feira, 14 de agosto de 2019    

Diferentemente da cifose e da lordose que são consideradas desvios normais/fisiológicos da coluna vertebral, a escoliose é uma curvatura anormal da coluna para um dos lados do tronco, determinado pela rotação das vértebras, a deformidade pode ser vista olhando a pessoa de costas.

Existem muitas causas de escoliose, incluindo deformidades congênitas da coluna (aqueles presentes no nascimento, herdadas ou causadas pelo ambiente), problemas genéticos, problemas neuromusculares e desigualdade de comprimento dos membros, e algumas causas incluem paralisia cerebral, espinha bífida, distrofia muscular, atrofia muscular espinhal e tumores, ou então má postura.

Alguns dos sintomas podem ser caracterizados por:

  • Ombros em alturas diferentes;
  • Cabeça não centrada diretamente acima da pélvis;
  • Aparência de um quadril proeminente levantado;
  • Costelas com alturas diferentes;
  • Cintura irregular;
  • Mudanças na aparência ou textura da pele sobre a coluna;
  • Inclinação do corpo inteiro para um lado;
  • Proeminência da costela quando dobrada.

O tratamento é conservador e leva em consideração as peculiaridades de cada caso no que se refere a idade do paciente, ao grau e padrão da curvatura, às características da deformidade instalada e a intensidade da dor. Em geral, o tratamento conservador inclui técnicas de fisioterapia, o tratamento conservador não exclui o uso de medicamentos e a cirurgia para estabilização da coluna vertebral só é recomendada para pacientes adultos em situações especiais.

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico e iniciado o tratamento, maiores serão as possibilidades de evitar as complicações da doença.

Fonte:  https://drauziovarella.uol.com.br

  Tags: #Fisioterapia #Escoliose #Cuidados  


Dentes escurecidos: por que acontecem?

Autor: Dr. Robson Michael Tecchio,   Data Criação: terça-feira, 02 de julho de 2019    

Para um sorriso saudável é necessário ter cuidado na alimentação, pois existem alguns alimentos que podem escurecer seus dentes pelo excesso de pigmentação contido neles. Ficar com os dentes escuros é um problema estético que incomoda muita gente.

A cor dos seus dentes vem de uma camada interna chamada dentina. O esmalte do dente funciona como o protetor da dentina e quando esse esmalte é afetado aparece o problema, o dente acaba ficando mais exposto, aumentando as chances de absorver os pigmentos do que comemos.

Por esse motivo a escovação dental ajuda muito se for feita com frequência e da forma correta, pois remove os corantes da superfície dos dentes, evitando o escurecimento ao longo dos anos. Um bochecho com água também já ajuda a evitar que os corantes ou a acidez fiquem na boca, além de colaborar com o trabalho da saliva para repor os minerais do dente que haviam sido perdidos.

A acidez do refrigerante, por exemplo, causa manchas, assim como frutas cítricas e alimentos muito ácidos aumentam as chances de o dente sofrer a ação dos pigmentos, pois o esmalte é atacado, perdendo minerais que são importantes para o bom funcionamento de toda a boca.

Conheça alguns alimentos que causam o escurecimento:

  • Café;
  • Refrigerante;
  • Beterraba;
  • Chá;
  • Amora;
  • Cereja;
  • Uva;
  • Açaí;
  • Vinho.

 

Fonte: www.sorrisologia.com.br

  Tags: #Robson #Dentista #Escurecimentodedentes #Dentesescuros #Alimentos  


Dependência química é uma doença?

  Data Criação: sexta-feira, 28 de junho de 2019    

O uso de drogas psicoativas, é tão antigo quanto os seres humanos. A droga foi usada no início das civilizações por razões religiosas e em um segundo momento como uma fonte de prazer. 

As drogas psicoativas, como o álcool, a maconha ou a cocaína, produzem efeitos por vezes agradáveis e por vezes desagradáveis. Elas sempre causam alterações no cérebro e com isso uma mudança das funções psicológicas, como a atenção, a memória, a percepção sensorial ou a forma de se relacionar com o mundo.

Quem usa a droga é impulsionado pela curiosidade, a vontade de pertencer a um grupo, pela busca de um prazer imediato ou alívio, entre outras razões. Contudo, quem muitas das pessoas que utilizam drogas desconhecem seus efeitos colaterais e, por vezes, acabam se colocando em risco ou colocando outras pessoas em risco. Pois, sabe-se, no entanto, que todas as drogas podem causar danos no cérebro e outras partes do corpo, havendo também o risco de dependência.

O desenvolvimento da dependência depende de alguns fatores controláveis como o tipo de droga, o acesso a ela, a exposição precoce e/ou repetida, e fatores sociais; e não controláveis como a vulnerabilidade genética, doenças psiquiátricas, fragilidades pessoais. 

 

Quando o uso de drogas vira uma doença?

 

Quem usa uma droga por vezes desconhece que pode perder o controle, que pode ficar doente na ausência da droga, que pode vir a fazer mal para si ou para outras pessoas. Qualquer pessoa que usa uma droga, corre riscos. Um dos riscos mais importantes é de se tornar dependente. A dependência é uma doença grave pois modifica o modo que o dependente percebe o mundo, as pessoas e a sua relação com a droga. Além de perder o controle sobre o uso, deixando de ser apenas um usuário, o dependente químico também sofre com as consequências da droga no seu corpo. Estas consequências podem vir a se tornar doenças graves como o câncer, problemas cardíacos, hepáticos ou sintomas como impotência sexual, falta de energia ou vontade de suicidar.

 

 Mas afinal o que é ser dependente de uma droga?

 

Nem todo usuário é dependente, mas todo usuário corre o risco de se tornar dependente. 

O que caracteriza dependência a uma droga é:

  • A perda do controle do uso da droga, o dependente não consegue interromper ou uma vez que começa a usar não consegue controlar as quantidades de droga que usa. 
  • A substituição progressiva de atividades importantes como o lazer ou trabalho pelo uso da droga.
  • A persistência do uso da droga apesar das suas consequências negativas.
  • A presença de fissura, ou seja, uma vontade muito grande, quase incontrolável de usar a droga que pode aparecer a qualquer hora do dia ou da noite.

 

Se tornar dependente de uma droga é um processo que pode ser bastante rápido e depende muito do tipo de droga, da idade em que começa o uso e de uma propensão familiar (genética) de se tornar dependente. Drogas como o crack ou a heroína podem causar dependência desde os primeiros usos. Sabe-se que quanto mais cedo se começa a usar drogas, maior é a chance de se tornar dependente.

 

Fonte: www. crr.medicina.ufmg.br | https://drauziovarella.uol.com.br | https://www.minhavida.com.br

  Tags: #Nina #Psiquiatria #saude #dependenciaquimica  


Anemia

Autor: Dr. Dib Mohamad Nabhan Jr,   Data Criação: quarta-feira, 26 de junho de 2019    

A anemia é uma doença caracterizada pela diminuição de hemoglobina no sangue ou na produção de hemácias. Apesar de existirem diferentes tipos de anemias, os sintomas são bem parecidos. 

Tipos:

  • Anemia hereditária: está relacionada a alterações na fabricação genética dos glóbulos vermelhos.
  • Anemia adquirida: é provocada por carência de nutrientes, também pode ser causada por alterações na medula óssea ou enfermidades que tenham a anemia como possível consequência.
  • Anemia crônica: provocada por doenças de base, algumas hereditárias (talassemia e anemia falciforme, por exemplo) e outras adquiridas.
  • Anemia aguda: quando há perda expressiva e acelerada de sangue, o que pode acontecer nos acidentes, cirurgias, sangramentos gastrintestinais, etc.

Sintomas:

  • Apatia;
  • Dificuldade de concentração;
  • Dores de cabeça;
  • Dor no peito;
  • Falta de apetite;
  • Falta de ar;  
  • Indisposição frequente;
  • Mãos e pés frios;
  • Palidez;
  • Pressão alta;
  • Sensação de cansaço generalizado;
  • Taquicardia;
  • Tonturas.
  • Cãibras musculares;

O tratamento para anemia é diretamente determinado pela doença de base que provocou a falta de produção ou a destruição das hemácias. Para prevenir a doença é necessário manter uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes essenciais para a natureza do organismo, como o ferro, vitamina A, vitamina B12 e zinco.
 

Fonte: www.drauziovarella.uol.com.br |  www.minhavida.com.br

  Tags: #Dib #clinicogeral #saude #anemia  


© Copyright 2020 HARMONY
Todos os direitos reservados
Desenvolvido por
Grupo Mar Virtual